Política

OFENSIVA JUDICIAL DO 155

A Audiência Nacional acusa Puigdemont e o Governo catalão de rebelião

A juíza Carmen Lamela convocou para o tribunal, nos dias 2 e 3 de novembro, os membros da Generalitat, acusados ​​de crimes de rebelião, sedição e desfalque.

Josefina L. Martínez

Madrid | @josefinamar14

quarta-feira 1º de novembro| Edição do dia

A juíza do Tribunal Nacional convocou Puigdemont para comparecer nesta quinta-feira em Madri e impoz um prazo de três dias para que ele deposite um caução de 6.207.450 euros, como punição por realizar o referendo em 1 de outubro. A juíza Lamela é a mesma que toma o caso de sedição contra o ex-chefe dos Mossos, Josep Lluís Trapero e os líderes do ANC, Jordi Sànchez e Òmnium Cultural, Jordi Cuixart.

Puigdemont, que permanece em Bruxelas, corre o risco de ser preso preventivamente na quinta-feira, como aconteceu com Jordis em 16 de outubro.

A convocação do Tribunal Nacional chega no mesmo dia em que o Supremo Tribunal convocou para declarar, também em 1 e 2 de novembro, os membros do Gabinete Parlamentar da Catalunha, também acusados de rebelião, sedição e desfalque por permitir a voto da República Catalã na sexta-feira passada, 27 de outubro. Ao mesmo tempo, o Tribunal Constitucional suspendeu provisoriamente a declaração de independência ao apresentar um recurso de recurso apresentado pelo Executivo de Mariano Rajoy.

A fiscal do Estado havia iniciado nesta segunda-feira a denúncia contra o Governo, com um arquivo que intitulou "a queda será mais dura", como foi vazado na imprensa, mostrando toda a intencionalidade do Regime.

Diante de uma escalada tão repressiva, a resposta de Puigdemont e a liderança do movimento de independência tem sido chamar de "moderação" e calma, recusando-se a pedir resistência com a mobilização.

Tanto o Ministério Público como o Tribunal Nacional são peças-chave do regime monárquico de 78. Este órgão judicial garantiu, por exemplo, a impunidade dos crimes de Franco, impedindo a queixa argentina de obter a extradição de assassinos e torturadores para julgá-los. É o mesmo Tribunal Nacional que condena os jornalistas, os youtubers e os twitterers por expressar sua opinião contra a monarquia ou o regime, e impõe condenações aos ativistas sob a Lei da Mordaça.

No caso da juíza Carmen Lamela, é a mesma que aceitou tratar como "terrorismo" uma luta em um bar em Alsasua - que terminou com uma Guarda Civil com lesões no tornozelo -, impondo uma detenção preventiva por um ano para três jovens bascos e é a mesma que esta pronta para condenar a juventude de Alsasua em um dos casos judiciais mais escandalosos dos últimos tempos, onde o promotor pede penalidades que somam até 375 anos para 8 deles.

A escalada repressiva através do processo judicial para o movimento democrático catalão, agora centrada na imposição de "penas exemplares" para os seus líderes, é a ponta de lança de um Regime que, se conseguir impor esta restauração conservadora, passará a uma maior ofensiva contra o todo os trabalhadores, ativistas e lutadores, não só na Catalunha, mas em toda a Espanha.

É por isso que, neste momento, é crucial desenvolver uma grande mobilização e resistência, em todo o Estado, contra a aplicação da 155, contra as causas judiciais aos líderes do processo e pela liberdade de todos os detidos. Uma causa democrática que deve se unir a um movimento democrático em todo o Estado espanhol contra a monarquia e o regime, pela liberdade de Alfon e os jovens de Alsasua, pela anulação da Lei da Mordaça e pela cessação de todas as causas contra ativistas e lutadores.

Unidos Podemos, CCOO, UGT deve agora abandonar sua falsa equidistância neste assunto - o que apenas favorece a repressão do regime - e convocar a mobilização decididamente junto com o resto dos sindicatos e organizações de esquerda que já estão fazendo isso, contra o 155 e suas medidas liberticidas.

Tradução: Douglas Silva




Tópicos relacionados

Catalunha   /    Política   /    Internacional

Comentários

Comentar