Internacional

6A PARALISAÇÃO NACIONAL

6A: Polícia de Macri reprime professores na Ponte Pueyrredón, Buenos Aires

quinta-feira 6 de abril de 2017| Edição do dia

A Prefeitura Nacional reprimiu com golpes e gás de pimenta os militantes de organizações sociais e professores que estão no corte de rua do acesso à Ponte Pueyrredón em Buenos Aires, Argentina, na paralisação nacional hoje.

Professores denunciam que foram reprimidos e estão feridos Cesar Gómez, professor da Lomas de Zamora, Marilina Arias e Alicia Navarro Palacios integrantes da agrupação 9 de Abril e dirigentes da Ademys.

Federico Puy, membro da mesma agrupação e do Sindicato dos trabalhadores da educação (UTE Cetera), responsabilizou o governo e disse que "os professores também estão paralisados hoje, fomos nós quem estivemos fazendo o corte e fomos reprimidos pela polícia da Prefeitura"

Myriam Bregman junto a Marilina Arias e Alicia Navarro Palacios, dirigentes de Ademys.

Federico Puy, delegado sindical e do Sindicato dos Professores (UTE Cetera), denuncia a repressão nos meios de comunicação argentinos

Patricio del Corro, ex-deputado do PTS pela Frente de Esquerda (FIT) em Buenos Aires, denuncia a repressão e responsabiliza o governo nacional.




Tópicos relacionados

6A PARALISAÇÃO GERAL ARGENTINA   /    PTS   /    Argentina   /    Frente de Esquerda e dos Trabalhadores (FIT)   /    PTS na FIT   /    Internacional

Comentários

Comentar