DEMISSÕES ABRIL

11ª Família mais rica do Brasil, donos da Abril vendem a empresa sem pagar funcionários demitidos

Com aprovação de Moro, Bolsonaro e Guedes, o CADE, órgão do Ministério da Justiça, aprovou a venda com parcelamento do passivo trabalhista.

quinta-feira 10 de janeiro| Edição do dia

Imagem: 25/11/2010/ FolhaPress

O CADE, órgão do Ministério da Justiça, aprovou a venda com parcelamento do passivo trabalhista. Uma das famílias mais ricas do Brasil se livrou das dívidas, enquanto os trabalhadores que têm que receber até 240 mil reais serão pagos de forma parcelada, em até um ano. Quem possui um passivo maior simplesmente não receberá o valor total ao qual teria direito, mas sim apenas 8% do valor em absurdos 18 anos.

O Superintendente-Geral do CADE, Alexandre Cordeiro Macedo, assinou na terça (8) documento que autoriza a venda do Grupo Abril para a Cavalary Investimentos, dona da Leader e da Casa & Video. A Família Civita, dona de um patrimônio de mais de R$ 10 bilhões de reais, se livrará de um acordo maléfico para os trabalhadores, que receberiam o que a empresa lhes deve em até 18 anos como o Esquerda Diário denunciou aqui mês passado.

A Dívida com os bancos Itaú, Bradesco e Santander, de mais de R$ 1 bilhão de reais, será mediada pelo banco BTG Pactual, pertencente ao atual Ministro da Economia Paulo Guedes. O objetivo da mediação é garantir o pagamento aos grandes bancos ao mesmo tempo que permitirá aos novos donos um acesso direto a isenções e outros recursos do governo federal.

A venda do Grupo Abril será feita por irrisórios R$ 100 mil reais, valor simbólico frente as dívidas, mas que demonstra muito pela maneira do acordo os reais beneficiados desse contrato, que serão grandes bancos e investidores de grandes redes, enquanto os trabalhadores que deram seu sangue pela empresa durante anos “poderão ser pagos em até 18 anos” ou sequer receberão o valor total ao qual têm direito.




Tópicos relacionados

Capital financeiro   /    Crise capitalista   /    Demissão   /    Que os capitalistas paguem pela crise!   /    Capitalismo   /    Monopólios Capitalistas   /    Reforma Trabalhista

Comentários

Comentar