Negr@s

MARIELLE FRANCO

100 dias sem Marielle e Anderson: não esquecemos, não perdoamos

Hoje (22) completam-se 100 dias do assasinato brutal de Marielle e Anderson. Que foram mortos no dia 14 de março, no bairro do Estácio, região central do Rio de Janeiro.

sexta-feira 22 de junho| Edição do dia

Imagem: genildo.com

Embora tenha causado grande repercussão internacional e uma enorme mobilização nacional, que levou centenas de milhares às ruas com muita revolta e indignação, suas execuções até hoje permanecem sem resposta. Assim como, as investigações que não trazem nada de concreto sobre a autoria e motivação do crime.

Conduzida pela Delegacia de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro, a investigação segue sob sigilo. Porém as principais linhas de apuração apontam para a atuação de milícias ou crime político.

O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) em entrevista ao HuffPost Brasil afirmou que "A investigação vai dizer qual grupo político matou a Marielle, seja ele um grupo partidário ou de milícia ou seja lá o que for. E é isso que a gente quer saber. A gente quer saber quem matou, quem mandou matar e por quê", disse também que confia no trabalho da polícia. Segundo ele, o grau de complexidade do crime impõe um ritmo particular à investigação.

Freixo deposita confiança nas investigações, na polícia e no estado, responsáveis por tantas barbáries e assasinatos. O que temos hoje é a falta de resposta, resposta para a brutal execução de uma mulher negra, bisexual, "cria da Maré" como gostava de dizer, que denunciou a Polícia Militar, que lutava contra a Intervenção Federal na cidade do Rio de Janeiro.

A mesma comunidade da Maré de Marielle, que sofreu essa semana mais uma operação assassina da polícia com a ajuda do exército. Onde um jovem de 14 anos usando uniforme escolar teve sua vida corrompida.

Marielle que um dia antes de seu assassinato, ao comentar o assassinato de outro jovem pela PM do Rio de Janeiro, questionou em suas redes sociais: “Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?”. Seguimos questionando, as operações policiais são constantes nas favelas do Rio e inocentes seguem sendo mortos.

Leia Mais: Acusado é preso pelo assassinato de Marielle, investigação da Polícia ainda engatinha

Cem dias sem Marielle Franco e Anderson Gomes, e sua investigação continua nas mãos dessa mesma polícia, desse mesmo Estado, que oprimem e matam. Não confiamos nessa justiça, e sabemos que somente uma investigação independente poderá responder a angústia e revolta de milhões que saíram às ruas em repúdio à suas mortes. Não esquecemos, não perdoamos.

Leia Mais: Os dois meses sem Marielle gritam aos 130 anos da abolição




Tópicos relacionados

Marielle Franco   /    Crise no Rio de Janeiro   /    PSOL   /    Racismo   /    Negr@s

Comentários

Comentar